22 de jun de 2014

Sinto muito mas eu não sou a Kézia.


Esse deve ser o sexto texto que eu tô começando na última hora porque eu me disperso. Prometo que não vou sair desta guia porque senão não sai nada daqui.
Tô com uma vontade imensa de escrever e diversas palavras entaladas na garganta mas eu só chego até certo ponto do texto e paro.

Não posso olhar para a tela.

Não posso sair nem pra botar a música que não consigo voltar e continuar.

Isso tá uma droga, mas pelo medo (e certeza) de que se eu apagar todas as palavras (de novo) dessa vez o texto não vai ter nem começo, nem meio, nem fim. Simplesmente não vai haver texto nenhum.

Queria ter o talento (ou o coração) da Kézia para conseguir escrever sobre a falta de inspiração. Humpft. É preciso muito talento (ou muita loucura) para escrever sobre o nada.

Sabe aqueles textos que começam com 'olhando para a página do Word em branco e pensando em como você me rouba os pensamentos' ou algo assim que começam com um nada e acabam descrevendo uma história de amor maravilhosa? Pois é, esse não é um desses, sinto muito pra você.

Aliás, ainda que estou em tempo já te peço desculpas por estes minutos perdidos com minhas bobeiras.

Eu ainda não sei porque não fechei esse notebook e fui me deitar porque está frio, eu tenho aula amanhã e a minha cabeça não tá funcionando para nada que preste mesmo.

Quando eu digo que eu tenho umas babaquices...

Você ainda tá aí? Alguém chegou até aqui mesmo? Você deve então estar rindo da minha bobeira ou revirando os olhos pela minha infantilidade.

Mas voltando ao (inexistente) assunto do texto, eu queria ter a capacidade de ficar bastante tempo falando sobre a falta do que falar e não ser um saco.

Infelizmente eu não sou a Bruna Vieira.

Muito menos a Kézia Martins, porque aquela escreve até sobre... sei lá, sobre tudo e sobre nada.

E terminando o texto nem testado nem que faça sentido eu te desejo todas as palavras do mundo.

Ou sei lá, pelo menos vergonha na cara para saber quando parar.

Ou, como eu, não necessariamente vergonha na cara, te garanto que o sono resolve.



Um comentário:

  1. Sério, Letícia, seus textos são incríveis. Você já tem todas as palavras nas pontas dos dedos, acredite.

    Letícia M.

    ResponderExcluir