25 de mai de 2014

Para quem escrevo, afinal.

Perguntaram-me estes dias, se estou apaixonada, e quem é o sortudo para quem eu escrevo estes textos tão apaixonados.
Fiz careta e respondi que sim, estou apaixonada, que é como toda escritora na verdade, amadora ou profissional, se sente, afinal. Fiz até rima. 
Na hora até achei graça, por que motivos eu teria que estar apaixonada para escrever apaixonada, ãh?
Aí relendo todos estes tal de 'textos apaixonados' que escrevo, percebi que, realmente, eles parecem direcionados a alguém em especial, com nome e sobrenome. E que aparentemente me inspira.
Pensando em desfazer maus-entendidos futuros, resolvi explicar com outro de meus textos apaixonados, que sou apaixonada pela vida.
Sei, clichê e idiota, e com um quê de menina que quer esconder dos pais uma paixonite perdida por aí
Quem me conhece e convive comigo até pode pensar que com todas essas minhas distrações, e falta de atenção tal história faça sentido. Faz sentido, mas não é o caso.
Escrevo com inspirações em textos, músicas, frases, fotos, pessoas. Não digo que não possa dedicar algum texto a alguém, mas não necessariamente e na maioria, quase todas, das vezes, eu só estou escrevendo para esta pessoa inexistente. Por uma ideia de pessoa talvez. Sei que sou apaixonada pelas palavras, e elas me cativaram e me inspiram, me fazem parecer uma bobinha apaixonada, quando na verdade, só sou uma bobinha inspirada.
Estou aqui para dizer aos interessados, que quando escrevo, é como se algo tomasse conta de mim, e tudo que sou e sinto, e penso, fosse para meus dedos, e eu já não fosse eu. Só um instrumento. Então não tire conclusões precipitadas, e nem tente adivinhar para quem escrevo, porque bem te confesso, talvez nem eu saiba.
Só continue aí, lendo meus textos e desabafos, sem tentar adivinhar se escrevo para alguém, e para quem.
Afinal de contas, eu escrevo para mim, uai.
Me disseram que preciso continuar escrevendo pois alguns tem a necessidades de texto bons (no caso os meus, não palavras minhas) para deliciarem-se de vez em quando.
Então é isso.
Eu também preciso dos meus textos para ver se entendo essa criatura aqui. Que esquece os pontos, e faz um texto cheio de rodeios e emoção, que só deveria conter, na verdade, informação.
Então é isso, de novo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário