10 de jan de 2016

Pra quem quer provar que é feliz? Pra mim ou pra você?

Uma bebida ali, uma menina lá, uma festa e uma foto, ambas transbordando a felicidade que você insiste em afirmar veemente que sente.

Mas será que provar tanto assim significa essa tal existência? Na minha percepção, se provar demais para os outros só significa que você está tentando se provar a si mesmo.

Só uma coisinha: não importa o quanto a gente finja, minta, negue, nós mesmos sabemos a verdade mais profunda que existe dentro da gente. E quando a cabeça deita no travesseiro o coração não deixa descansar. Não adianta mentir.

E me diz, pra quê? Todos somos feitos de defeitos e qualidades tremendas, todos nós. Cada um único em suas particularidades. Qual a lógica que existe em criar um personagem pra si e vivê-lo?
É uma mentira. E você sabe que é. E sabe também que no fundo todo mundo sabe também. Mas entra na história.

Me pergunto se é assim tão difícil ser de verdade. Demonstrar o que sente, só dizer o que sente, sem mentir. Não iludir, ser sincero com os outros, ser real, sem projeções, invenções e tudo que vem nesse pacote que só serve pra pesar nossas costas depois.

Vamos tentar ser mais sinceros, sim? Pelo menos com a gente. Depois vai expandindo, e ó, quando vê já virou rotina.

Existem coisas a se lidar quando se é de verdade. Normalmente as pessoas que não são tão sinceras são mais queridas pelos outros do que as que são. A maioria não consegue suportar o peso de uma verdade não tão boa. Mas vai por mim, a dor de uma verdade pode ser doída, mas a de uma mentira é horrivelmente pior.

Somos imperfeitos, sim? Todos mentimos, fugimos ou fingimos em certos momentos. Mas não faça com que a sua vida se torne uma farsa, não pra agradar os outros.

O que tem lá fora nem é tão importante. O essencial existe aqui dentro.


Nenhum comentário:

Postar um comentário