25 de out de 2015

Pra reforçar o que já foi dito.

Não adianta obrigar, fica quem quer.

Dói dizer adeus? Dói. Não vou ser hipócrita a ponto de dizer que quando a gente ama fica feliz mesmo que a pessoa vá sem a gente. Pode até ser, mas isso leva um tempo, porque não importa o quão maduro você seja, todos vamos passar pelas fases de negação, rejeição, bloqueio, dor e aí aceitação. Porque é isso. A gente aceita. Mesmo que rasgue por dentro.

Ainda assim, parece sina mental que a gente procure defeitos na gente do que deu errado. Meu bem, aprende que as pessoas vem e vão, e vão porque vão, mesmo que você faça tudo certo. Elas vão porque tem de ir.

Vão porque querem ir.

Inegável que tudo na vida tenha a ver com eleição de prioridades. Aí tomamos decisões com base nelas, porque sempre, sempre que damos um passo pra frente deixamos algo pra trás.

Laço quando aperta, vira nó.

E mesmo já tendo escrito e lido dezenas de textos sobre esse assunto, eu continuo repetindo pois cada vez muda algo, ou eu tenho que reforçar o de sempre, porque palavra trancada na garganta sufoca, porque há coisas que precisam ser ditas.

Aprende uma coisa que eu aprendi: algumas pessoas nós temos de deixar ir, simplesmente porque elas não escolheram ficar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário