9 de abr de 2015

Não venha dizer que não avisei - parte 2

Seguiu meus outros conselhos?

É, a doida está te escrevendo de novo, e já começa perguntando as coisas.

Você viu alguma coisa?

Podemos falar sobre isso mais tarde, mas por hora, o assunto é um pouquinho mais sério.

Ainda falando sobre ela, queria te dizer outras coisas que não te julgo por não saber. É mesmo estranho.

Sei que ficou surpreso ao vê-la daquela maneira, sentada na escada sozinha, com o olhar perdido e brilhante.

Eu vi quando você se aproximou e mudou de ideia no último segundo. Ela também viu.

Ela não quer que você a veja assim, mas ao mesmo tempo, quer que você veja o quão quebrada ela está, mesmo que nos últimos dias as fitas do coração dela estivessem bem coladas.

Você a viu chorar, mas não viu na vez pior. Não quando ela chorou pra valer e você era o motivo. Justamente por ser a falta dele.

Ela quer que você aja normalmente com ela, mas ela sabe, e entende, que ao mesmo tempo, é complicado para você também.

Para ela é pior ainda.

Ela quebra e se cola cada vez que você sorri.

Minha última mensagem falou disso, você lembra?

Ela não quer que você a dê espaço para que ela possa registrar as coisas, já que ela julga estar te dando esse espaço.

Viu isso também?

Ela quer que você a procure.

Quer um sorriso dela para ela.

Quer que você chegue do nada, sente ao lado dela e diga: "Tudo bem você gostar de mim. Não precisa se sentir mal com isso, muito menos com o fato de eu saber. Tudo bem."

Ela quer saber o que quer de verdade.

Por isso foge.

Eu não quero ter que dizer "eu te avisei".

Não me force.

Nenhum comentário:

Postar um comentário