10 de ago de 2014

Paizão "sem futuro".





Pra quem me conhece e convive comigo sabe que eu passei mó barra esse mês que passou. Foi um dos períodos mais complicados que eu já vivi, de longe.
Hoje, nesse dia dos pais, eu só tenho a agradecer pela presença dessa pessoa maravilhosa que eu tenho como pai. Sabe o tipo de pessoa que é um privilégio ter por perto, mesmo que sejam irritantes, chatinhas e mandonas? Eu me sinto assim em relação ao meu pai. Tô brincando. ~risos~Mas é esse o exato ponto em que eu quero chegar sabe? As pessoas que fazem falta com suas chatices, e besteiras, que a voz faz falta, que deixa um vazio quando não está presente. Sabe quando você tem criança em casa e ela dorme fora? É exatamente assim. Eu só tenho a agradecer a Deus por ter colocado esse paizão na minha vida.
Pra quem tem o pai perto, abraça forte, diz que ama, briga mesmo, irrita, chama atenção, fala alto, brinca bastante. Aproveita. Não só no dia dos pais, mas em todos os dias do ano. E eu estou sendo clichê, mesmo não gostando disso. Que mania do povo de ser igual.

Eu tenho o pai mais bobo, mais brincalhão, que tem as piores piadas do mundo, é um grude que só vendo, reclama da bagunça mas larga as coisas no meio da casa, fala com o telefone só com a lateral encostada na cabeça, chama os outros de "sem futuro", implica com nada e vive me perguntando se eu estou namorando.
Adora dizer que ele que manda em casa e negar coisas que eu sei que ele já deu passe livre. Meu pai é A manteiga derretida e eu adoro dizer que estou quase do tamanho dele.

É colorado e eu sou gremista, (argh pai!), é gaúcho chato e eu sou catarina, gosta de músicas que eu não gosto, diz que é mais bonito que o Zayn Malik, e adora parar na frente da televisão quando eu estou vendo alguma coisa, como o jogo de vôlei da Seleção Brasileira hoje em um set decisivo e aumenta o som do carro quando eu estou com fones de ouvido no banco de trás.

Tem implicância quando eu abro a janela do carro, e eu nem sei porque.

Meu pai é mó paizão e não poderia ser alguém melhor e mais perfeito para a função.

Pais, pais, pais.

E ah, meu pai adora fingir que manda quando a gente sabe que mamãe é quem decide.

Fazer o quê?

Meu pai é o melhor.

E o pior.

O amo por isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário